Nessa parte da página, dediquei a elucidar de maneira resumida e sequencial as etapas para a montagem do barco, com as minhas experiências e empirismos. Seguem informações adicionais sobre características do projeto, assim como posts e reflexões sobre vela, cultura, filosofia e construção naval.

1. Escolha

A escolha do projeto é o primeiro passo. Uma boa escolha que seja compatível com suas necessidades, expectativas e ajustes à realidade. (leia mais sobre a escolha do projeto no post sobre as escolhas!)

2. Cavernas/cavernames/costelas

Faça o gabarito para construção das cavernas e estruturas que serão a forma do barco. Existem opções digitais, impressas, CNC, ou a clássica manual de conectar as coordenas e abcissas vide tabela abaixo.

Deve-se correlacionar as medidas e construir as bases que formarão toda estrutura do barco.

Encontre um profissional hábil para inspecionar as cavernas, eu achei a Aneli pra me acompanhar nessa construção.

3. Berço

A montagem do berço é algo bem simples. Fiz reforçado pra ter mais força entre as ligações, já que são 5,5m de extensão. Construí com resto de estruturas de palets e tábuas de pinus de 20cm cortadas ao meio.

4. Alinhamento de cavernas

Tarefa bronca. Ideal fazer de 2 ou mais pessoas. Alinhas as cavernas e colocá-las na linha de água e centralizadas para das início a etapa de longarinas!

5. Longarinas e strings

Hora de grudar a popa a proa. A longarina debaixo do casco, e central, em três camadas de tábuas, duas internas e 1 externa. Depois vir com as “strings”cordas, longarinas longitudinais e laterais que unem os “chines”ou arestas dos encontros entre os contraplacados do casco. Formas as edges, bordas.

6. Contraplacado/Compensado naval

Cobrir toda a estrutura de longarina, no meu caso usei parafusos, para unir o compensado a estrutura, dado que o construtor/desenhista/projetista Wojtek Kasprzak indica manter apenas costelas 1,3 e 9. Acredito que sejam possíveis diversas outras combinações!

7. Rejunte com Epoxi + pó de madeira

To be continued….

“Esta versão foi criada para uma “classe” muito específica e precisa. Ele foi projetado para duas pessoas que planejam viagens longas. Comparado à versão básica, as linhas teóricas foram alteradas para aumentar o deslocamento e a bravura. Uma das suposições era dar à tripulação a chance de “descansar” de ficarem juntos constantemente.  Há também uma versão do casco com um cockpit clássico. O grande deslocamento do casco resulta da necessidade de conter provisões e água. Aparelhamento superior, estada dupla e bastidor. Quilha flutuante em chapa de aço de 2-3 mm com estrutura nervurada. Existem passos no leme para facilitar a entrada da água. A estrutura, de maneira semelhante a toda a família de SZTRANDEKS, baseia-se na junção dos painéis de revestimento nas longarinas.” Fonte: http://www.geneboat.cba.pl/s495dr/sztrandr.html