Sem Teto / Vela Fetichismo II

Alguém que leu o Vela e Fetichismo I deve ter pensado…inocente.

Construir um veleiro não precisa de grana!? Precisa, mas não precisa ser o exagero, e nem é necessário que a argumentação central seja luxo e outras ‘viagens’.

Acho que esse era o ponto central da argumentação. Uma linha teria resolvido aquilo tudo. Mas aqui vamos nós.

Pra quem acompanha no instagram, sabe que recentemente perdemos o teto. Depois de uma campanha rápida, de 3 dias apenas, conseguimos levantar o montante pra erguer o novo teto pra construção do veleiro Bodião. Muito emocionante, escrever e relembrar disso.

E eu lembrei do que tinha escrito. E lembrei também que com uma filha de menos de 1 ano de idade não se pode priorizar o teto do estaleiro, sendo designer, professor, freelancer no Brasil (bombril/se vira nos 30/ me contrata / me paga bro)… Enfim, salvaram. Teto novo. Coisas fluindo, trabalhinhos aparecendo, vida simples segue, soho vive.

Vi que o site está desatualizadíssimo, lembro de agradecer novamente a todos que tem ensinado tanto, Eugênio Maranhão, veleiro EMA, construtor do Sztrandek 750 Plus ou Max, não lembro ao certo, ao querido BARRACAPRADOIS do Pará, Sztrandek 4 – esticado- 495; construtor do Skylab (história linda por detrás disso aqui!), ao José França do veleiro Sztrandek 495, Capivara, cada qual com sua iniciativa, experiência, partilharam/partilham, momentos, ensinamentos e informações. Ao Panos ao Vento, canal sensacional que ensina muito com a construção de um Pocket 15…Art of boat building, canal essencial pra quem quer aprender o estado da arte, e construções amadoras na base, com embasamento em literatura clássica. Ferramentas modernas, novos processos, métodos, mas respeito a tradição e a cultura. Inteligência e maximização na composição de novas embarcações.,… O agradecimento é por lembrar o quão é laborioso, trabalhar no barco, registrar e partilhar métodos, falhas, experiências, resultados com outras pessoas….além do tempo dedicado a contrução, partilhar e estruturar informação online é um processo.

Enquanto isso, Hashtagsal continua fazendo vídeos sobre compra de  veleiros, nos stories, merchants de marinas, mastros, materiais, etc etc. O maior canal se rende a sobrevivência, a escravidão midiática, a prisão do devir para com os outros. Vendem a liberdade, acorrentados, esquecem de si. Mas minhas companheira falou pra focar no positivo, então vamos nós…

Viva  a construção amadora. recentemente comentei num post do insta do Madeira Mar estaleiro, para disponibilizarem o PP135 O pequeno Principe, gratuitamente. Não responderam ou comentaram, acho importante projetos nacionais serem divulgados. Parabéns ao Madeira Mar, mas gostaria de ver mais altruísmo, ais divulgação, acessibilidade….Seria muito bonito ver varios PPs numa flothilha por ai.  Enquanto isso, vejo meus colegas do nordeste, norte, zonas de tradição em construção, indo buscar na Europa/ Polônia a solução para resolução de seus sonhos…

Outro dia….vi projetos de JANGADAS, embarcação clássica de onde vivo, projetada por um Francês…projeto pago….mas daí, fica pra um outro artigo!

Leia mais posts e epifanias…

Sem Teto / Vela Fetichismo II

Sem Teto / Vela Fetichismo II Alguém que leu o Vela e Fetichismo I deve ter pensado...inocente. Construir um veleiro não precisa de grana!? Precisa, mas não precisa ser o [...]

Vela e fetichismo I

Vela e fetichismos I Já observou que vela e propagandas náuticas estão sempre vinculadas a grande embarcações? Ou super lanchas, ou super catamarans. Quando não, objetificando mulheres com suas nádegas expostas, [...]

Idade e construção

Trabalho árduo, calos, cortes, talhos, mesmo com cuidado, trabalho bruto... Tem idade certa pra construir? Não sei, uma coisa é certa, eu tenho 33 anos, (2020) e sem modéstia, [...]

Mãos à obra

Construção do gabarito e quase começo Depois de escolher, estudar, digitalizar é hora de riscar os primeiros traços das cavernas, ou costelas, do barco. Já impresso e no [...]

Estudos e planos/plantas

A tradução do plano, a missão Depois de estudar e decidir o modelo, resta estudar, interpretar e quando se escolhe um barco da Polônia...traduzir! Aqui as linhas teóricas [...]