Influências e referências

Pra falar de temas amenos e amistosos. Aí vamos nós.

Chegar no Sztrandek foi história contada em outros posts, se não viu veja, se não quiser, prossiga. Mas algo essencial atrelado a pesquisa, foi ver a possibilidade de realização do mesmo. Ver que alguém fez, testou e velejou é acalentador.

A primeira referência que obtive ao ver construção de um SZTRANDEK foi o do Sr. José de França, o construtor do CAPIVARA. Apesar de não ter sido o primeiro, segundo conta o criador do VENTURA ( Sr. Roberto do blog -> http://estaleiroartesanal.blogspot.com/2011/05/construcao-do-ventura-o-primeiro.html)  o mesmo fora o primeiro a construir um 495 e daí o construtor fez o plano do 400, que resultou no Bijou de Missouri…e por aí vai…

**Empolgante. Fascinava ver um barco tão pequeno e com tanto espaço interno. A melhor das surpresas foi descobrir que apesar de terem construído vários SZTRANDEKS, um SZTRANDEK ficou esquecido, o modelo DR, para longas distâncias. Isso fica pra outras conversas**

Voltando ao tema, [sou péssimo em redação, talvez porque minha mente goste de divagar por diversos temas ao mesmo tempo]… Ao ver o CAPIVARA, em deu uma luz. Perceber a possibilidade de que seria sim possível ainda ter , ou tentar, acesso a algum construtor que pudesse me dar alguma luz, porque eu, sem modéstia alguma, não tenho experiência alguma ! rs (Tirando o NAIADE 108, breve farei post sobre, construído aqui em casa em poliester, meu primeiro barco adaptado de Hannu Vartiala)

O primeiro pensamento foi; TENHO QUE FALAR COM ESSE SUJEITO!

Buscando, vi no Youtube um vídeo recente do barco, e felizmente entrei em contato com o Sr, José França. Lembro que fiqeui surpreso e muito feliz. Seu José trocou poucas palavras, mandou um cad com peças em inox para serem feitas e deu algumas palavras sobre dúvidas imediatas. Mas um sujeito fechado. De qualquer sorte, fica meu registro de gratidão ao Seu José, ademais, o Capivara ficou belíssimo, fico curioso quanto ao deslocamento, velejada, conforto, como esse barco ficou!? O blog é super detalhado, foi uma construção de uns 5 anos pelo menos, e aqui fica o link com referências incríveis, desse grande barco!

-> http://veleirocapivara.blogspot.com/

O danado sendo levantado pelo engenhoso José, dono do CAPIVARA. Inspirador.

Após essa introdução, comecei a adentrar na construção mais concreta, e dúvidas mais recorrentes e mais CONCRETAS, apareciam adiante.

Forums brasileiros mais mornos e com temas que refletiam uma realidade muito distante da minha. Nada melhor como pesquisar mais um tanto e…

Tcharam! Conheço a figura do Sr. Eugênio Maranhão, lá de Boa Viagem, que está a construir o TUX. Não sei se poderia falar, mas já falando, o danado escolheu o SZTRANDEK 750, um sonho. SZTRANDEK PLUS. Uma nave. O sujeito impressionou pelos detalhes, conhecimento praticidade e detalhamento.

O Seu Maranhão já fez todas as cavernas, que mais parecem uma obra de arte.

Seu canal no YOUTUBE é super desconhecido, mas é um manancial de conhecimento. Um laboratório prático e descritivo.

Aqui o link pra quem quer visitar a página dele: https://www.youtube.com/user/MaranhaoAlves

Seu Eugênio tem contribuído imensamente no processo de construção do Bodião, tenho enchido de audios o homem, que pacientemente responde. Surpreende pelo conhecimento e maleabilidade. Não tem solução pronta. Tudo é possível, com estudo, lógica, pesquisa, decidimos. Interessante a troca, de maneira horizontal. Desde de utilização racional de materiais, a macetes, truques, até mesmo alterações internas. Recente contribuição, foi repensar a execução da quilha e utilização de materiais menos aristocratas, como mastro de madeira ; quilha ferro+concreto + vela em prolan e por ai vai.

Após essas iniciáticas, a página do Bodião no instagram rendeu também muitos aprendizados. Dando ideias a fazer novos projetos. Um amigo do PARÁ @barracapra2 tem contribuído muito também com seus fazeres e reflexões. O cara também está fazendo um SZTRANDEK 400 com linhas alteradas, o que deixa nesse post, uma semente pra próximos posts….Entender a realidades desses outros construtores e tentar entender a pergunta primária “POR QUE ESCOLHERAM CONSTRUIR UM SZTRANDEK? QUAIS RAZÕES?”…e secundariamente; “QUEM SAO?! DE ONDE VEM? POR QUE UM VELEIRO?”…

Vai render papo e muito aprendizado. Espero concluir essa deixa de missão.

Página de vídeos do Eugênio, um verdadeiro compêndio da construção amadora!

Leia mais posts e epifanias…

Vela e fetichismo I

Vela e fetichismos I Já observou que vela e propagandas náuticas estão sempre vinculadas a grande embarcações? Ou super lanchas, ou super catamarans. Quando não, objetificando mulheres com suas nádegas expostas, [...]

Idade e construção

Trabalho árduo, calos, cortes, talhos, mesmo com cuidado, trabalho bruto... Tem idade certa pra construir? Não sei, uma coisa é certa, eu tenho 33 anos, (2020) e sem modéstia, [...]

Mãos à obra

Construção do gabarito e quase começo Depois de escolher, estudar, digitalizar é hora de riscar os primeiros traços das cavernas, ou costelas, do barco. Já impresso e no [...]

Estudos e planos/plantas

A tradução do plano, a missão Depois de estudar e decidir o modelo, resta estudar, interpretar e quando se escolhe um barco da Polônia...traduzir! Aqui as linhas teóricas [...]

A escolha

A escolha do projeto, como e por onde começar. A escolha do modelo de projeto nem sempre é tarefa fácil. Depois de meses de pesquisa e estudo, conversa com projetistas e meditando [...]